segunda-feira, 10 de maio de 2010

Contra os elementos....pedalar, pedalar!

Boas a todos!

Pelo 3.º ano consecutivo alinhei hoje, em mais uma já mítica tirada, o CBranco-Fátima, versão 2010, em asfáltica, sempre sob a batuta do amigo AC, que decorre imperetrivelmente no fim de semana anterior ao 13 de Maio, dia da N. Sra de Fátima.

Não me movem promessas, como já afirmei em anos anteriores, mas quando chega esta época surge aquele bichinho cá dentro a dizer que é altura de preparar corpo e mente para vencer os quilómetros e ir agradecer à Santa mais um ano de protectorado para todos nós. É daquelas coisas que não sei explicar... tenho de ir e pronto, custe o custar, seja em que condições for, desde que haja pernas, ala que se faz tarde, que o chamamento é para cumprir.

Hospede inúmeras fotos no slide.com GRÁTIS!

Este ano não foi excepção, embora o treino tenha sido muito condicionado pelo mau tempo que teima em não nos deixar, podendo desde logo esta falta de exercício condicionar mentalmente tais propósitos. Mas chega-se o dia e pronto... vamos lá embora, com ou sem treino adequado... a mente, o propósito, o querer faz o resto!

Os últimos dias tem sido solarengos, embora algo frios e ventosos, capazes de potenciar essa vontade, esse chamamento para pegar na bike e ir pedalar estrada fora. Contudo a sexta e o sábado trouxeram novidades meteorológicas... nem queria acreditar quando abria o canal do tempo e via chuva intensa para o fim de semana... seria possível? Devem estar enganados...

Hospede inúmeras fotos no slide.com GRÁTIS!

O sábado mostrou que era mesmo possível, destacando-se ao longo do dia pelo recrudescimento das péssimas condições que tivemos o Inverno todo... Chuva e mais chuva, com vento à mistura! Tanto a Maria como alguns amigos chegaram a perguntar na noite anterior se ia pedalar nessas condições, e a resposta aparecia espontanea, sem hesitação: "É claro que vou!" Nem sequer ponderava outra hipótese.

Hospede inúmeras fotos no slide.com GRÁTIS!

E assim foi. Apesar da madrugada fustigada pelos elementos, a hora de levantar soou e vai de vestir o "fatinho" pronto para a molha. E na Pires Marques, à hora marcada - 06:30 lá estavamos 3 corajosos - Eu (FMike), o Filipe e o AC, apoiados pelo amigo Cabarrão que passou por lá aquela hora para nos dar incentivo apesar de, com pena nossa, não nos ter podido acompanhar.

Os primeiros quilómetros mostraram aquilo que seria uma constante até às Moitas - chuva, muita, muita chuva, com vento de frente à mistura, em vagas sucessivas, quase sempre que surgia uma subida mais agreste para fazer... as nuvens sobre as Olelas e sobre a Serra das Talhadas eram de tal maneira negras que pareciam o "Cume de Dante" a deitar fumo vulcânico... nunca na minha história em cima de bikes tinha apanhado tal dilúvio no corpinho... mas nada, nada minimizou a nossa vontade de lá chegar, pelo contrário ainda acirrou mais o intento.
.
Das Moitas até ao Robalo a coisa amainou um bocadinho, permitindo-nos aqui nesta singela aldeia fazer uma paragem na casa dos "velhotes" como carinhosamente o AC chamava aos seus ascendentes, onde, na escondida Adega, aquecemos a alma, primeiro com um branquinho de estalo e depois com um tinto de bom paladar e melhor escorreito. Com tal combustivel não iria haver ninguém que nos apanhasse a subir... eheheheh!

Vila de Rei é lá no alto e como era a subir, algumas pingas ainda nos cairam em cima, tal como na longa subida para Ferreira do Zêzere, mas não seria isso que nos iria impedir de lá chegar. À entrada de Tomar o tempo começou a abrir surgindo o Sol para nos secar o fatinho, embora as duas subidas subsequentes - Tomar e Carregueiros nos tenham feito mais suar que propriamente secar. Já depois de Albiturel o imprevisto aconteceu, com um furo do AC a surgir como uma oportunidade para tirar os "oleados" e exibir o colorido dos jersey, pois o calor apertava e ainda nos faltava a exigente subida do Boi Preto para vencer.
.
A chegada a Fátima fez-se bem mais tarde que o habitual, muito por causa dos elementos da natureza... grande parte dos quilómetros foram efectuados debaixo de péssimas condições, levando quase ao limite as máquinas a pedal e os seus respectivos apreciadores, mas só digo uma coisa... valeu bem a pena! Assim tem outro sabor a vitória! Obrigado ao Filipe e ao AC pela companhia e incentivo mútuo. Pró ano há mais, assim as perninhas queiram, porque a vontade... está cá toda!

As 2 fotos deste ano são do AC (obg!), uma vez que não ia haver digital que sobrevivesse a tal "inferno aquático", tendo optado por não a levar.

Fiquem bem! Até à próxima peregrinação! Santiago ai vamos nós!

FMike :-)

1 comentário:

BTT-ALBI disse...

Se a gente quer ser alguma coisa, tem que ser nesta vida ! Parabéns pela proeza !
Um dia ainda espero fazer-vos companhia !
1 abraÇo.